| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL AMATA
Desde: 13/06/2001      Publicadas: 1012      Atualização: 08/06/2017

Capa |  Altamira  |  AMATA ASSOCIE-SE  |  Castelo de Sonhos  |  Desmatamento na Amazônia  |  ECOLOGIA  |  Educação Ambiental  |  ESPORTES  |  Hidrelétrica de Belo Monte  |  HIDRELÉTRICA DO TAPAJÓS  |  Opinião  |  Política  |  Poluição  |  SAUDE  |  Transamazônica  |  Turismo no Xingu


 Opinião

  09/06/2012
  0 comentário(s)


O CONTRADITÓRIO AQUECIMENTO GLOBAL

Teor do documento assinado por cientistas geólogos, geógrafos, climatologistas, físicos, meteorologistas, engenheiros, à Presidenta do Brasil.





Em uma recente reunião do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, a senhora afirmou que a fantasia não tem lugar nas discussões sobre um novo paradigma de crescimento - do qual a humanidade necessita, com urgência, para proporcionar a extensão dos benefícios do conhecimento a todas as sociedades do planeta. Na mesma ocasião, a senhora assinalou que o debate sobre o desenvolvimento sustentado precisa ser pautado pelo direito dos povos ao progresso, com o devido fundamento científico.
Assim sendo, permita-nos complementar tais formulações, destacando o fato de que as discussões sobre o tema central da agenda ambiental, as mudanças climáticas, têm sido pautadas, predominantemente, por motivações ideológicas, políticas, acadêmicas e econômicas restritas. Isto as tem afastado, não apenas dos princípios basilares da prática científica, como também dos interesses maiores das sociedades de todo o mundo, inclusive a brasileira. Por isso, apresentamos-lhe as considerações a seguir.
1) Não há evidências físicas da influência humana no clima global:
A despeito de todo o sensacionalismo a respeito, não existe qualquer evidência física observada no mundo real que permita demonstrar que as mudanças climáticas globais, ocorridas desde a revolução industrial do século XVIII, sejam anômalas em relação às ocorridas anteriormente, no passado histórico e geológico - anomalias que, se ocorressem, caracterizariam a influência humana.
Todos os prognósticos que indicam elevações exageradas das temperaturas e dos níveis do mar, nas décadas vindouras, além de outros efeitos negativos atribuídos ao lançamento de compostos de carbono de origem humana (antropogênicos) na atmosfera, baseiam-se em projeções de modelos matemáticos, que constituem apenas simplificações limitadas do sistema climático - e, portanto, não deveriam ser usados para fundamentar políticas públicas e estratégias de longo alcance e com grandes impactos socioeconômicos de âmbito global.
A influência humana no clima restringe-se às cidades e seus entornos, em situações específicas de calmarias, sendo estes efeitos bastante conhecidos, mas sem influência em escala planetária.
Para que a ação humana no clima global ficasse demonstrada, seria preciso que, nos últimos dois séculos, estivessem ocorrendo níveis inusitadamente altos de temperaturas e níveis do mar e, principalmente, que as suas taxas de variação (gradientes) fossem superiores às verificadas anteriormente.
O relatório de 2007 do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) registra que, no período 1850-2000, as temperaturas aumentaram 0,74°C, e que, entre 1870 e 2000, os níveis do mar subiram 0,2 m.
Ora, ao longo do Holoceno, a época geológica correspondente aos últimos 12.000 anos em que a civilização tem existido, houve diversos períodos com temperaturas mais altas que as atuais. No Holoceno Médio, há 5.000-6.000 anos, as temperaturas médias chegaram a ser 2-3°C superiores às atuais, enquanto os níveis do mar atingiam até 3 metros acima do atual. Igualmente, nos períodos quentes conhecidos como Minoano (1500-1200 a.C.), Romano (séc. VI a.C.-V d.C.) e Medieval (séc. X-XIII d.C.), as temperaturas atingiram mais de 1°C acima das atuais.
Quanto às taxas de variação desses indicadores, não se observa qualquer aceleração anormal delas nos últimos dois séculos. Ao contrário, nos últimos 20.000 anos, desde o início do degelo da última glaciação, houve períodos em que as variações de temperaturas e níveis do mar chegaram a ser uma ordem de grandeza mais rápidas que as verificadas desde o século XIX.
Entre 12.900 e 11.600 anos atrás, no período frio denominado Dryas Recente, as temperaturas caíram cerca de 8°C em menos de 50 anos e, ao término dele, voltaram a subir na mesma proporção, em pouco mais de meio século.
Quanto ao nível do mar, ele subiu cerca de 120 metros, entre 18.000 e 6.000 anos atrás, o que equivale a uma taxa média de 1 metro por século, suficiente para impactar visualmente as gerações sucessivas das populações que habitavam as margens continentais. No período entre 14.650 e 14.300 anos atrás, a elevação foi ainda mais rápida, atingindo cerca de 14 metros em apenas 350 anos - equivalente a 4 m por século.
Por conseguinte, as variações observadas no período da industrialização se enquadram, com muita folga, dentro da faixa de oscilações naturais do clima e, portanto, não podem ser atribuídas ao uso dos combustíveis fósseis ou a qualquer outro tipo de atividade vinculada ao desenvolvimento humano.
Tais dados representam apenas uma ínfima fração das evidências proporcionadas por, literalmente, milhares de estudos realizados em todos os continentes, por cientistas de dezenas de países, devidamente publicados na literatura científica internacional. Desafortunadamente, é raro que algum destes estudos ganhe repercussão na mídia, quase sempre mais inclinada à promoção de um alarmismo sensacionalista e desorientador.
2) A hipótese "antropogênica" é um desserviço à ciência:
A boa prática científica pressupõe a busca permanente de uma convergência entre hipóteses e evidências. Como a hipótese do aquecimento global antropogênico (AGA) não se fundamenta em evidências físicas observadas, a insistência na sua preservação representa um grande desserviço à ciência e à sua necessária colocação a serviço do progresso da humanidade.
A história registra numerosos exemplos dos efeitos nefastos do atrelamento da ciência a ideologias e outros interesses restritos. Nos países da antiga URSS, as ciências biológicas e agrícolas ainda se ressentem das consequências do atraso de décadas provocado pela sua subordinação aos ditames e à truculência de Trofim D. Lysenko, apoiado pelo ditador Josef Stálin e seus sucessores imediatos, que rejeitava a genética, mesmo diante dos avanços obtidos por cientistas de todo o mundo, inclusive na própria URSS, por considerá-la uma ciência "burguesa e antirrevolucionária".
O empenho na imposição do AGA, sem as devidas evidências, equivale a uma versão atual do "lysenkoísmo", que tem custado caro à humanidade, em recursos humanos, técnicos e econômicos desperdiçados com um problema inexistente.
Ademais, ao conferir ao dióxido de carbono (CO2) e outros gases produzidos pelas atividades humanas o papel de principais protagonistas da dinâmica climática, a hipótese do AGA simplifica e distorce um processo extremamente complexo, no qual interagem fatores astrofísicos, atmosféricos, geológicos, geomorfológicos, oceânicos e biológicos, que a ciência apenas começa a entender em sua abrangência.
Um exemplo dos riscos dessa simplificação é a possibilidade real de que o período até a década de 2030 experimente um considerável resfriamento, em vez de aquecimento, devido ao efeito combinado de um período de baixa atividade solar e de uma fase de resfriamento do oceano Pacífico (Oscilação Decadal do Pacífico, ODP), em um cenário semelhante ao verificado entre 1947-1976. Vale observar que, naquele intervalo, o Brasil experimentou uma redução de 10-30% nas chuvas, o que acarretou problemas de abastecimento de água e geração elétrica, além de um aumento das geadas fortes, que muito contribuíram para erradicar o café no Paraná. Se tais condições se repetirem, o País poderá ter sérios problemas, inclusive, nas áreas de expansão da fronteira agrícola das regiões Centro-Oeste e Norte e na geração hidrelétrica (particularmente, considerando a proliferação de reservatórios "a fio d'água",impostos pelas restrições ambientais).
A propósito, o decantado limite de 2°C para a elevação das temperaturas, que, supostamente, não poderia ser superado e tem justificado todas as restrições propostas para os combustíveis fósseis, também não tem qualquer base científica: trata-se de uma criação "política" do físico Hans-Joachim Schellnhuber, assessor científico do governo alemão, como admitido por ele próprio, em uma entrevista à revista Der Spiegel (17/10/2010).
3) O alarmismo climático é contraproducente:
O alarmismo que tem caracterizado as discussões sobre as mudanças climáticas é extremamente prejudicial à atitude correta necessária frente a elas, que deve ser orientada pelo bom senso e pelo conceito de resiliência, em lugar de submeter as sociedades a restrições tecnológicas e econômicas absolutamente desnecessárias.
No caso, resiliência significa a flexibilidade das condições físicas de sobrevivência e funcionamento das sociedades, além da capacidade de resposta às emergências, permitindo-lhes reduzir a sua vulnerabilidade às oscilações climáticas e outros fenômenos naturais potencialmente perigosos. Tais requisitos incluem, por exemplo, a redundância de fontes alimentícias (inclusive a disponibilidade de sementes geneticamente modificadas para todas as condições climáticas), capacidade de armazenamento de alimentos, infraestrutura de transportes, energia e comunicações e outros fatores.
Portanto, o caminho mais racional e eficiente para aumentar a resiliência da humanidade, diante das mudanças climáticas inevitáveis, é a elevação geral dos seus níveis de desenvolvimento e progresso aos patamares permitidos pela ciência e pela tecnologia modernas. Além disso, o alarmismo desvia as atenções das emergências e prioridades reais. Um exemplo é a indisponibilidade de sistemas de saneamento básico para mais da metade da população mundial, cujas consequências constituem, de longe, o principal problema ambiental do planeta.
Outro é a falta de acesso à eletricidade, que atinge mais de 1,5 bilhão de pessoas, principalmente, na Ásia, África e América Latina.
No Brasil, sem mencionar o déficit de saneamento, grande parte dos recursos que têm sido alocados a programas vinculados às mudanças climáticas, segundo o enfoque da redução das emissões de carbono, teria uma destinação mais útil à sociedade se fossem empregados na correção de deficiências reais, como: a falta de um satélite meteorológico próprio (de que dispõem países como a China e a Índia); a ampliação e melhor distribuição territorial da rede de estações meteorológicas, inferior aos padrões recomendados pela Organização Meteorológica Mundial, para um território com as dimensões do brasileiro; o aumento do número de radares meteorológicos e a sua interligação aos sistemas de defesa civil; a consolidação de uma base nacional de dados climatológicos, agrupando os dados de todas as estações meteorológicas do País, muitos dos quais sequer foram digitalizados.
4) A "descarbonização" da economia é desnecessária e economicamente deletéria:
Uma vez que as emissões antropogênicas de carbono não provocam impactos verificáveis no clima global, toda a agenda da "descarbonização" da economia, ou "economia de baixo carbono", se torna desnecessária e contraproducente - sendo, na verdade, uma pseudo-solução para um problema inexistente. A insistência na sua preservação, por força da inércia do status quo, não implicará em qualquer efeito sobre o clima, mas tenderá a aprofundar os seus numerosos impactos negativos.
O principal deles é o encarecimento desnecessário das tarifas de energia e de uma série de atividades econômicas, em razão de: a) os pesados subsídios concedidos à exploração de fontes energéticas de baixa eficiência, como a eólica e solar - ademais, inaptas para a geração elétrica de base (e já em retração na União Europeia, que investiu fortemente nelas); b) a imposição de cotas e taxas vinculadas às emissões de carbono, como fizeram a Austrália, sob grande rejeição popular, e a União Europeia, para viabilizar o seu mercado de créditos de carbono; c) a imposição de medidas de captura e sequestro de carbono (CCS) a várias atividades.
Os principais beneficiários de tais medidas têm sido os fornecedores de equipamentos e serviços de CCS e os participantes dos intrinsecamente inúteis mercados de carbono, que não têm qualquer fundamento econômico real e se sustentam tão somente em uma demanda artificial criada sobre uma necessidade inexistente. Vale acrescentar que tais mercados têm se prestado a toda sorte de atividades fraudulentas, inclusive, no Brasil, onde autoridades federais investigam contratos de carbono ilegais envolvendo tribos indígenas, na Amazônia, e a criação irregular de áreas de proteção ambiental para tais finalidades escusas, no estado de São Paulo.
5) É preciso uma guinada para o futuro:
Pela primeira vez na história, a humanidade detém um acervo de conhecimentos e recursos físicos, técnicos e humanos, para prover a virtual totalidade das necessidades materiais de uma população ainda maior que a atual. Esta perspectiva viabiliza a possibilidade de se universalizar - de uma forma inteiramente sustentável - os níveis gerais de bem-estar usufruídos pelos países mais avançados, em termos de infraestrutura de água, saneamento, energia, transportes, comunicações, serviços de saúde e educação e outras conquistas da vida civilizada moderna. A despeito dos falaciosos argumentos contrários a tal perspectiva, os principais obstáculos à sua concretização, em menos de duas gerações, são mentais e políticos, e não físicos e ambientais.
Para tanto, o alarmismo ambientalista, em geral, e climático, em particular, terá que ser apeado do seu atual pedestal de privilégios imerecidos e substituído por uma estratégia que privilegie os princípios científicos, o bem comum e o bom senso.
A conferência Rio+20 poderá ser uma oportuna plataforma para essa necessária reorientação.
Assinam: Kenitiro Suguio, Luiz Carlos Baldicero Molion Fernando de Mello Gomide, José Bueno Conti, José Carlos Parente de Oliveira, Francisco Arthur Silva Vecchia Ricardo Augusto Felicio, Antonio Jaschke Machado, João Wagner Alencar Castro, Helena Polivanov, Gustavo Macedo de Mello Baptista, Paulo Cesar Soares, Gildo Magalhães dos Santos Filho, Paulo Cesar Martins Pereira de Azevedo Branco, Daniela de Souza Onça, Marcos José de Oliveira, Geraldo Luís Saraiva Lino, Maria Angélica Barreto Ramos (Fonte: Pecuária.com.br. Enviada por Igo Lepsch, Cientista em Solos)



  Mais notícias da seção Notas no caderno Opinião
06/05/2016 - Notas - IMPEACHMENT OU SAMBA
Estamos nós, os brasileiros do tempo dos impeachment, passando por mais um caso de impedimento de outro presidente exercer sua função frente ao Poder Executivo....
13/09/2015 - Notas - ACESSE A RADIO COMUNITÁRIA DE PASSA VINTE
www.p20fm1049.net (function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, 'script', 'facebook-jssdk'));Publicado por Luiz Antonio Cunha em Qu...
08/02/2014 - Notas - VALEU A PENA BRIGAR POR BELO MONTE
Em 15/06/1998, o então presidente Fernando Henrique Cardoso esteve em Tucuruí, dando a ordem de serviço das obras da 2ª etapa da hidrelétrica de Tucuruí, aumentando a sua potencia instalada para os atuais 8470 Mw, bem como da retomada das obras das Eclusas, que estavam paralisadas desde o governo Sarney. A noite seguiu para Altamira, onde, sob os ...
03/11/2013 - Notas - SENSAÇÃO DE INSEGURANÇA
Josimar Antonio Lisboa. Roubos, assaltos a mão armada, assassinatos, transito Caótico; esta é a conta que os moradores de Altamira, estão pagando pelo progresso que está chegando com a construção da hidrelétrica de Belo Monte, com ela, uma leva de pessoas que vem em busca de trabalho e melhoria de vida, o que na maioria das vezes não conseguem em s...
10/10/2013 - Notas - A publicidade autopromocional do agente público
A publicidade oficial autopromocional do agente público é expressamente vedada pela Constituição Federal em vigor, que dispõe no §1º do inciso XXI de seu art. 37, que "A publicidade de atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes,...
27/09/2012 - Notas - Lembrando JK
Na quarta-feira passada, lembrei dos 110 anos de nascimento do saudoso presidente Juscelino Kubitschek e pedi "Uma estátua para JK", para que lembrem de "o construtor de Brasília", "o bandeirante do século XX", "o artista do impossível", "o presidente Bossa-Nova"....
13/09/2012 - Notas - Um Passeio pelo vale do Xingu
Quem for a Altamira, para ver e sentir as obras de Belo Monte, saiba desde logo que o aeroporto daquela cidade só está operando a noite, uma vez que durante o dia a pista de pouso está em obras, de reforma e ampliação, para permitir o pouso e decolagem de grandes aeronaves, o que, por certo, levará as grandes empresas de aviação a incluírem em sua...
09/06/2012 - Notas - O CONTRADITÓRIO AQUECIMENTO GLOBAL
Teor do documento assinado por cientistas geólogos, geógrafos, climatologistas, físicos, meteorologistas, engenheiros, à Presidenta do Brasil....
22/05/2012 - Notas - O turista da enchente
Por Lúcio Flávio Pinto Fui testemunha das três maiores enchentes do rio Amazonas registradas antes da atual, já considerada superior a todas as anteriores: em 1953, 1976 e 2009....
20/01/2012 - Notas - NOTA DE REPUDIO AO MUNICIPIO DE VITORIA DO XINGU
Com relação à matéria exibida no jornal ATM TV na manhã de 05/11, relatando a manifestação da população do município de Vitória do Xingu com fulcro de interditar a rodovia transamazônica clamando a volta do prefeito Líberalino Neto, eu não poderia deixar de fazer algumas observações pertinentes....
11/11/2011 - Notas - Os 100 anos de Altamira
No domingo passado, 06/11/2011, a cidade de Altamira festejou os seus 100 anos, em meio a festas e ao alvoroço ali instalado, a partir do início das obras de Belo Monte.É evidente que Altamira tem muito que festejar nesses seus 100 anos, até porque, de uma cidadezinha de beira de rio dos anos 50, é hoje a cidade-pólo do Vale do Xingu e da Transamaz...
27/10/2011 - Notas - A notícia e a sua avaliação
A semana que passou foi pródiga em fatos que viraram notícias, como, por exemplo, a captura do ex-ditador Muamar Kadafi, da Líbia, que, pelas imagens veiculadas pela televisão, foi literalmente linchado e morto, encerrando, assim, o seu regime de 40 anos....
27/10/2011 - Notas - A notícia e a sua avaliação
A semana que passou foi pródiga em fatos que viraram notícias, como, por exemplo, a captura do ex-ditador Muamar Kadafi, da Líbia, que, pelas imagens veiculadas pela televisão, foi literalmente linchado e morto, encerrando, assim, o seu regime de 40 anos....
03/09/2011 - Notas - Nota Pública da CNBB Regional Norte 2 sobre a UHE Belo Monte
Há grupos e pessoas que costumam gritar "a Amazônia é nossa", não para defender a incontestável soberania do Brasil sobre esta macroregião, mas para explorar até a exaustão as riquezas naturais e transformar a terra, as águas e as florestas em mercadoria, objetos de negócio. A família humana perde o direito de viver no lar que Deus criou. É expulsa...
10/07/2011 - Notas - Passado imprevisível
Era 1970. No nordeste brasileiro acontecia a pior seca de todos os tempos, só comparada com a que ocorreu no 2º reinado, quando D.Pedro II pensou até em vender as "jóias da coroa" para ajudar os flagelados....
13/04/2011 - Notas - O DIÁLOGO E A INSENSATEZ
Para Belo Monte ou Kararaô podemos dizer que vivemos a continuidade da proposta do Governo Militar.A construção de grandes estradas cortando os grandes rios amazônicos nas proximidades de suas maiores quedas privilegiando sempre a construção de hidroelétricas, exploração de minérios e a pecuária extensiva. ...
15/01/2011 - Notas - Caso Bayma: a antropofagia do governo federal
Abelardo Bayma, que presidiu o Ibama desde abril de 2010, deixou o órgão nesta quarta, 12, quando a sua exoneração foi publicada no Diário Oficial. Veículos de imprensa creditaram a sua demissão à negativa de assinar a licença de instalação da hidrelétrica de Belo Monte e a uma suposta reação a pressões do Consórcio Norte Energia e do Ministro da...
03/01/2011 - Notas - Ano Novo, Antigas Promessas e Antigas Posturas.
Estamos virando o ano, esperanças renovadas, promessas novas e antigas, do tipo: "este ano vou parar de fumar" ou aquela antiga "este ano sai o asfaltamento da Transamazônica" e outras mais. Mas, vamos ficar com a promessa do asfaltamento, afinal, desde outubro de 1971 já se passaram 39 anos. Foi o maior conto já aplicado da história de Altamira " ...
16/12/2010 - Notas - Sobra de energia não afasta risco de racionamento, diz consultoria
RIO - A sobra de energia firme no Brasil para o período entre 2011 e 2014 é a maior da história, mas mesmo assim o risco de racionamento de energia a partir de 2012 não está definitivamente afastado. Estudo da consultoria PSR e do Instituto Acende Brasil mostra que os limites de transmissão de energia entre as regiões Sudeste e Nordeste e o baixo n...
14/10/2010 - Notas - FLORESTA NOSSA DE CADA DIA - Conservar e usar com sabedoria.
Todos nós sabemos que qualquer atividade que use recursos florestais na Amazônia requer um nível de capacitação alto para garantir a conservação e o uso dos recursos naturais, para o bom manejo ou o manejo das florestas usando técnicas de baixo impacto também é assim. Ao retirar da floresta seus recursos e ter garantias das aplicações de técnicas,...
02/07/2010 - Notas - E depois de Belo Monte?
Tarcísio Feitosa Ainda sou do grupo que sonha com a desistência do governo brasileiro em construir esse monstro que irá destruir o rio Xingu e mudar a coloração de suas águas verde-esmeralda para o tom barrento.Mas, entendo que o pouco tempo de democracia que vivemos ainda não é suficiente para tomar decisões que irão afetar as futuras gerações do ...
09/06/2010 - Notas - ARTICULAÇÃO DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL
NOTA PÚBLICA A DEFESA DOS DIREITOS INDÍGENAS ...
26/05/2010 - Notas - As urnas eletrônicas e a infalibilidade papal
Doutor Francis Bullos, médico e vereador em Barra Mansa-RJ.Recentemente, por iniciativa do deputado federal Flexa Ribeiro do Estado do Pará, foi decidida a obrigatoriedade de audiência pública visando discutir a segurança das urnas eletrônicas. Desta audiência participarão inúmeras autoridades da justiça eleitoral e técnicos da área de eletrônica,...
28/10/2009 - Notas - FLORESTA E GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA
Ao olhar o mapa da região do Xingu e da Transamazônica entre Pacajá eUruará, podemos o observar claramente a divisão geográfica noterritório entre imensas terras indígenas, reservas extrativistas,assentamentos destinado à agricultura familiar, parque nacional eestação ecológica além dos vários assentamentos. E fácil ver em umsobrevôo a quantidade d...
08/08/2009 - Notas - A RESPOSTA AO CONVITE.
Digo que após o terceiro convite não se pode recusar um pedido, então foi por causa disso que aceitei escrever no Guia Amata Bons Negócios, depois de insistentes pedidos do jornalista Luiz Antonio. Sempre admirei a coragem e a determinação deste jornalista, tal admiração começou em meados da década de 1990, quando um militar de alta patente se envo...
11/06/2009 - Notas - Alternativa para desonerar o trabalho e elevar a competitividade das empresas
Brasil tributa salários e folha de pagamento em excesso. Os impostos sobre a remuneração paga pelas empresas limitam a capacidade competitiva do País, reduzem a oferta de empregos e estimulam a manutenção de elevado contingente de mão de obra informal....
02/05/2009 - Notas - UNIR VERSOS E EMOÇÕES
Só sei que era uma vez...Eu ainda era meninoConduzindo o Vitorino Ali pelo porto seis Falávamos do destinoDe sermos nós, ou talvez,...
04/04/2009 - Notas - Os US$ 5 trilhões do G20 solucionarão a crise?
Depende. A débâcle mundial surgiu nos EUA. Começou com a desaceleração econômica no país há cerca de dois anos, em 2007. Isto aumentou a insolvência do mercado imobiliário, que havia assumido riscos muito além do que a prudência recomendaria. Tomou proporções alarmantes com a crise de credibilidade financeira, que não deve ser confundida com crise ...
24/03/2009 - Notas - Mais Visibilidade = Mais
Alguma coisa está errada nesta conta. Tem que estar. Caso contrário, toda a nossa luta estaria seriamente equivocada....
13/03/2004 - Notas - OPINIÃO ECONÔMICA
O Brasil e os modelos europeu e americano de tributação MARCOS CINTRA No estudo "Condicionantes e Perspectivas da Tributação no Brasil" (www.receita.fazenda.gov.br/Historico/ EstTributarios/topicosespeciais/condicionantes.htm), a Receita Federal oferece valiosa e prudente reflexão acerca dos rumos da reforma tributária no país. Tratando dos m...



Capa |  Altamira  |  AMATA ASSOCIE-SE  |  Castelo de Sonhos  |  Desmatamento na Amazônia  |  ECOLOGIA  |  Educação Ambiental  |  ESPORTES  |  Hidrelétrica de Belo Monte  |  HIDRELÉTRICA DO TAPAJÓS  |  Opinião  |  Política  |  Poluição  |  SAUDE  |  Transamazônica  |  Turismo no Xingu
Busca em

  
1012 Notícias