| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

JORNAL AMATA
Desde: 13/06/2001      Publicadas: 1025      Atualização: 07/11/2017

Capa |  Altamira  |  AMATA ASSOCIE-SE  |  Castelo de Sonhos  |  Desmatamento na Amazônia  |  ECOLOGIA  |  Educação Ambiental  |  ESPORTES  |  Hidrelétrica de Belo Monte  |  HIDRELÉTRICA DO TAPAJÓS  |  Opinião  |  Política  |  Poluição  |  SAUDE  |  Transamazônica  |  Turismo no Xingu


 ESPORTES

  09/03/2004
  0 comentário(s)


Produdores acampam há 51 dias em ALTAMIRA

Máquinas e caminhões ainda impedem acesso ao Incra
Canavieiros de Medicilândia completam hoje 51 dias que estão acampados em frente à unidade avançada do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), nesta ciade. O grupo reivindica indenização pelas três últimas safras de cana de açúcar perdidas nos campos, que não foram colhidas devido ao fechamento da usina de álcool Abrham Lincoln, localizada em Medicilândia.

Produdores acampam há 51 dias em ALTAMIRA

Um documento contendo a reivindicação dos canavieiros já foi repassado as mãos do presidente do Incra, em Brasília, mas até o momento nenhuma resposta foi dada a respeito do assunto. Segundo Bruno Kempner chefe da unidade em Altamira, a demora na resposta aos canavieiros deu-se porque os representantes do movimento atrasaram em pelo menos 15 dias o envio do documento reivindicatório ao Incra nacional. Em conseqüência disso perderam a reunião do conselho diretor da instituição, que é quem deve analisar e decidir a questão.
Afirma Kempner que o Incra ainda precisa reconhecer a dívida com os canavieiros. A segunda etapa é a discussão em si de valores e a apresentação da contraproposta ou aceitação da proposta dos canavieiros. O conselho diretor deverá dizer como, quando e quanto será pago aos canavieiros. Ele diz que a possibilidade do Incra não reconhecer a dívida com os canavieiros é pequena.
Do lado de fora do prédio do Incra, os canavieiros afirmam que caso a situação não seja resolvida, a sede do Incra será ocupada novamente por quanto tempo for necessário, até que a decisão final aconteça.
Devido a situação provocada em Altamira e a interdição total da travessa 10 de novembro, no perímetro que dá acesso a unidade, pedestres e condutores de veículos já começam a se sentir incomodados pelo bloqueio da via. O Incra diz que, apesar dos manifestantes estarem na porta do órgão, eles não afetam o trabalho dentro da unidade.
O conselho diretor do Incra reúne-se mensalmente. A próxima reunião acontece na próxima semana, em Brasília, e o pedido de indenização dos canavieiros é uma das pautas na reunião da diretoria.




  Mais notícias da seção Reclamações no caderno ESPORTES
27/02/2004 - Reclamações - Índios em pé de guerra exigem demissões
Caixão do índio Xicrim diante dos representantes do DSEI É tensa a situação em Altamira. Índios Parakanã, Xipaia e Bacajá estão na sede do município e exigem a substituição urgente da gerência do Departamento de Saúde Indígena (DSEI) da Funasa e da gerência do convênio que trata da saúde indígena em Altamira. As gerentes são, respectivamente, Tân...



Capa |  Altamira  |  AMATA ASSOCIE-SE  |  Castelo de Sonhos  |  Desmatamento na Amazônia  |  ECOLOGIA  |  Educação Ambiental  |  ESPORTES  |  Hidrelétrica de Belo Monte  |  HIDRELÉTRICA DO TAPAJÓS  |  Opinião  |  Política  |  Poluição  |  SAUDE  |  Transamazônica  |  Turismo no Xingu
Busca em

  
1025 Notícias